Avançar para o conteúdo principal

Prendinhas, ou arte e visitas de estudo!

 Nunca fui a mãe louqinha das lembranças escolares, pronto admito, da Lara era um pouquinho, mas acabei e desculpem me a todos os que tiveram o trabalho, porque a maioria das lembranças não são feitas pelos miúdos, mas eu honestamente preferia que investissem o dinheiro dessas coisitas de materiais, em visitas escolares, a museus, a teatros, e em eventos. A logística de uma visita de estudo é grande, mas e porque não trazer os workshops às escolas, bem como adolescentes famosos das cibernáuticas! Lembro-me de uma altura a Lara estar entusiasmada com uma escritora, e com um suposto blogger adolescente que ia fazer visita à escola, sim deviam disponibilizar a semana das profissões em que os pais pudessem também eles falar do seu trabalho, e das suas vivências, agora estamos em situação critica, mas quando as coisas voltarem ao normal. A maioria dos miúdos e espantem-se dadas as tecnologias actuais não tem acesso a esse tipo de experiências, muitos deles nunca viram neve, ou foram a um teatro, e bem, não será porque nascem num meio menos favorável, que não sejam crianças dotadas a esse tipo de coisas, que futuramente lhes vão trazer outro tipo de interesse, no que toca a cultura, que a meu ver, é fundamental no percurso académico de qualquer um!

Esta semana pensei assim ....o que será que os meus filhos se lembrarão na idade adulta? eu lembro-me de tudo o que de manual aprendi no ATL, e dos passeios escassos que davamos, na infância também me lembro da praia, das férias, e não me lembro bem da escola....incrível não é?

Não me lembro se era feliz ou triste, se sorria mais ou menos, acho que a escola era um lugar onde tinha de estar...e gente...basicamente é o que me lembro!

Não tenho muito conhecimento do ensino privado porque os meus filhos sempre frequentaram ensino público, porém a vaga ideia que tenho é que em termos de cultura, e de currículo a nível de experiências acaba por ser mais completo e estimular mais todos os sentidos.

A maior lacuna que encontro no ensino publico, não só como trabalhadora mas como mãe, é precisamente ser um depósito de matéria, e o ser humano acreditar piamente, que isso vai fazer dos nossos filhos pessoas mais realizadas no futuro a nível profissional. muitas das vezes não usamos o meio de atividades extra curriculares, como uma aptidão, mas também como um depósito e ocupação de tempos livres.

Sem culpar ninguém e culpando todos nós, o ensino está muito aquém das mentalidades atuais, e acho que em prol de entreajuda com as câmaras que têm acesso a isso tudo e igualmente estão em parceria com o ensino, se devia alargar a mente, a que o ensino seja um leque variado de aprendizagens, e não apenas e só, um depósito de matéria, a crianças cada vez mais inteligentes e por esse motivo mais irrequietas e intolerantes. Grande parte delas não sabe alguns nomes de frutos, ou distingue coisas essenciais ao seu futuro, do qual não faz parte a nossa profissão e o nosso sustento financeiro. A questão é ampliar conhecimento, e o nosso ensino, é um depósito de crianças, de matéria, e de muito pouca cultura geral! Usam-se muito pouco as bibliotecas, os espaços exteriores no que toca a aprendizagem, explorar e ampliar criatividade. Nem todos nascemos mentais....alguns de nós nascem apenas criativos!

Todas as atividades extra curriculares deveriam ser suportadas ainda que por nós mas no contexto escolar, como pausa até para a aborrecida aprendizagem, artes manuais, dança, karaté, cinema, teatro, e todas aquelas nas quais pudéssemos colocar em contexto de sala de aula ou espaço exterior, recreio. Se a ideia é ocupar as crianças que por vezes estão em contexto escolar das 7 às 19, seria mais fácil a todos que professores pagos mesmo que pelos pais, se deslocassem à escola para as respetivas atividades, facilitando assim a vida a todos, e ocupando melhor assim os seus tempos livres! Bem como deixando os pais livres ao final do dia e fim de semana, e dedicarem tempo de qualidade. Acabamos por criar uma sociedade em que filhos são sinónimo de stress, preocupação, e gasto excessivo de dinheiro, e sim, é uma pena :(, as familias estão a desconetar-se, e a perder-se, porque nos é exigido tanto, e às nossas crianças também. Workshops, em que muitas vezes nada é cobrado, no intuito de divulgação! Palestras sobre os diversos temas....



Vale a pena pensar nisto!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Pagamos uma casa a vida toda e agora ninguém quer passar os dias dentro dela

 Mais uma cultura portuguesa enraizada que felizmente começa a mudar! E porque não trabalhar dentro de casa, afinal pagamos uma renda, um empréstimo que não deixa de ser igualmente um crédito bancário. Ainda que tenhamos um trabalho no exterior, porque não trabalhar em casa, criar um cantinho para fazê-lo? Incentivar os vossos filhos a explorar uma capacidade....se com a idade deles pais e avós ganhavam dinheiro em fábricas, eles podem ganhar no conforto do seu lar, explorando os seus próprios dons e capacidades. Pagamos a nossa casa uma vida....são 100 mil...200 mil....300 mil...é que pensando bem na realidade actual ...sei que muitos são teletrabalho e aglomeram "n" tarefas ao que já têm, mas isto não será sempre assim, e porque não começar já hoje? Todos nós vimos ao mundo dotados de pelo menos 1 dom e 1 propósito de vida, dos quais somos dotados por Deus na nossa hora de nascimento. Existem pessoas que os descobrem e são felizes porque não é trabalho, é propósito, é dom,

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim

Mulheres para além de um corpo

  Esta sou eu o ano passado, esta imagem é o meu corpo sem filtros exatamente como eu estava há um ano atrás, uma mulher um corpo. Parece que é sempre assim não é ? Uma mulher um corpo, vagina, cu e mamas. Andamos nós aqui contidas de muito mais, digo eu que uma alma, e um cérebro, mas parece que nos prendemos num corpo somos prisioneiras de um corpo, vivemos no culto do corpo, tudo é um corpo físico. Eu tornei-me também eu prisioneira do meu corpo, porque a minha mente e o meu espelho, a minha roupa dizem-me que não estou bem como estou. Peso a mais, colesterol a mais, roupa tamanho acima, 12 kilos a mais. Para o sexo isso não importa, mas para os meus olhos frente ao espelho existe uma dismorfia. Não gosto de me alimentar bem, gosto de dar ao meu corpo o que ele pede, nunca durmo até tarde, ando sempre cansada e pesada, e gosto de sentir que tenho alguns prazeres na vida, não tenho a mesma rotina de sono que deveria e por isso passo mais tempo acordada, logo é inevitável não comer ma