Avançar para o conteúdo principal

Esta de mim



Esta era eu...cheia de sonhos...cheia de vida...cheia de alegria...era eu, apenas eu...

Fui caminhado, fui agregando, fui esquecendo o longo percurso para trás deixado, a areia quente nos meus pés, a brisa fresca de uma noite de verão, os sorrisos espontaneos, estava tão distraida a viver o momento presente, tão embriagada, tão compenetrada, num foco que hoje acredito ser só meu, numa meta de felicidade que não constituia a felicidade em si...de repente tudo foi tirado e usurpado, hoje no mais alto dos meus pensamentos profundos, e no meio das minhas reflexões constantes, porque para entender o presente, não há como não regressar ao passado, eu percebo que talvez eu não tenha voltado as costas a nada, talvez eu nunca mesmo tenha soltado, talvez tivesse sido usurpado sem que eu me desse conta de que já não estava lá fazia tempos, e eu tão compenetrada a tentar manter o que já não existia, continuava a afastar-me de mim....e completamente cega e alheia a uma realidade, a uma vida completamente ilusória, uma história, de muitos personagens narrada sempre pelo mesmo.

Hoje eu sei que quando entrei naquele rio, cheio de turbulência e sinais de que o caminho não ia ser fácil, eu nadei até à exaustão, como nado sempre, mas estava de cabeça submersa na água, e nem reparei nos animais que me circundavam sem que eu desse conta, só queria manter me a salvo, a mim e aos meus , e nesse percurso onde nadava sem pausas, sem distrações....durante o percurso os sinais apareciam e as bandeiras eram mais que vermelhas, mas eu criava a ilusão da mente, que o valor viria daquele meu esforço, e nunca veio...

De repente no fim do meu percurso, sabia que apesar de toda aquela natação sincronizada e suportada, eu sentia que nem 1 metro tinha nadado, olhava para trás e sentia o vazio de quem nada fez para ali chegar, afinal na ilha onde parei, onde a minha ilusão criava alguém que me aplaudisse, não havia ninguém, estava deserto, ninguém sequer percebeu o quanto nadei, o quanto me esforcei, e porra...que sensação devastadora...


Já nada do que fazia ou pudesse fazer era mais suficiente, porque a plateia já tinha ido embora, já assistia a outro espectáculo, e o que ali restava era a minha ilusão do outro....não havia outro, não havia ninguém, eu estava sózinha há demasiado tempo e nem sequer me havia dado conta, tamanha era a minha absorção nos outros e tão pouco em mim, no que eu queria, amava, almejava, desejava, sentia....

Haviam dias em que queimava por dentro...mas era cozinhada em lume brando, haviam dias em que as palavras eram tão vazias que eu já não as escutava, haviam dias em que a ausência e o silêncio eram tão ensurdecedores que me matavam por dentro e me faziam acreditar que eu não era a protagonista, mas uma mera espectadora de um filme que passou defronte dos meus olhos e eu não vi, porque estava a nadar submersa dentro de água....

Esta de mim...

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim

Pagamos uma casa a vida toda e agora ninguém quer passar os dias dentro dela

 Mais uma cultura portuguesa enraizada que felizmente começa a mudar! E porque não trabalhar dentro de casa, afinal pagamos uma renda, um empréstimo que não deixa de ser igualmente um crédito bancário. Ainda que tenhamos um trabalho no exterior, porque não trabalhar em casa, criar um cantinho para fazê-lo? Incentivar os vossos filhos a explorar uma capacidade....se com a idade deles pais e avós ganhavam dinheiro em fábricas, eles podem ganhar no conforto do seu lar, explorando os seus próprios dons e capacidades. Pagamos a nossa casa uma vida....são 100 mil...200 mil....300 mil...é que pensando bem na realidade actual ...sei que muitos são teletrabalho e aglomeram "n" tarefas ao que já têm, mas isto não será sempre assim, e porque não começar já hoje? Todos nós vimos ao mundo dotados de pelo menos 1 dom e 1 propósito de vida, dos quais somos dotados por Deus na nossa hora de nascimento. Existem pessoas que os descobrem e são felizes porque não é trabalho, é propósito, é dom,

Saudades das minhas gajas

Tenho saudades das minhas gajas, das gargalhadas, do verão, das danças, dos jantares, de socializar. Sinto saudades de fazer amor, de fazer sexo, de nadar no mar e fazer topless. Sinto saudades da sangria, da cerveja, do sunset, da areia da praia. das ondas do mar. Sinto saudades do teu beijo, do teu sorriso entre ele, e do teu abraço. Sinto saudade de não ter medo de amar, porque é bom amar sem medo. Sinto saudade do bikini, dos pés na areia, da brisa a bater-me na cara. Sinto saudades do alpendre lá de casa, do jardim de inverno, dos finais de tarde de verão. Sinto falta dos abraços, dos beijos, das borboletas na barriga, dos primeiros encontros. Sinto saudades de acordar com desejo e adormecer com paixão.  Sinto saudades do teu abraço aconchegante, do teu toque meigo, do teu mau feitio. Sinto saudades da paixão desenfreada e do tesão, mas mais saudades do teu amor calmo, que me serana, saudades da tua voz....aí a tua voz. Saudades dos jantares, de andar de mão dada na praia, de quan