Avançar para o conteúdo principal

A mãe perfeitamente imperfeita também precisa de uma amiga chamada psicóloga


 

A mãe que é mãe, que deixou muita coisa pela profissão : mãe, mas que foi muitas outras no caminho, dona de casa, enfermeira, educadora, trabalhadora, psicóloga,motorista,esposa, amante, namorada, defensora acérrima de todos os direitos e mais alguns, estudante, sonhadora, perfeccionista, cozinheira, costureira....e cada vez mais se afastou da palavra MULHER.

A mãe que escolheu ser mãe e tomou a sua decisão sem nunca saber qual seria o seu futuro, a mãe que abdicou muitas vezes de ser mulher, em prol dos filhos, a mãe que há 12 anos é mãe e cubriu falhas de ausências,para ser pai e mãe,  a mãe que sentiu culpa, a mãe que sentiu medo, a mãe que faz de tudo para não aplicar a santa palmada, a mãe que chora, a mãe que ri, a mãe que ensina aos filhos o que é o gin, a mãe que ensina aos filhos o que é o amor, a mãe que dança na cozinha, a mãe que bebe o seu copo de vinho, por vezes a sua garrafa! A mãe que adormece com maquilhagem, a mãe que deixa de correr para limpar a casa,a mãe que deixa a louça por lavar por estar exausta, a mãe que não quer voltar para esta casa que se tornou um caos, a mãe que se atrasa nas formações para levar a filha a atividade e buscar o outro à escola, a mãe que se esquece de responder a e-mails, inclusivé de ver e-mails, a mãe que se esquece de retribuir telefonemas, a mãe que sente que desde o divórcio que tentam culpa-la por tudo, sem qualquer empatia, atiram-lhe à cara FOI A TUA DECISÃO, ACARRETA COM AS ESCOLHAS, a mãe que confia na filha e não a acorda e ela falta à primeira aula, a mãe que adormece o filho e não consegue ficar acordada para dar um beijo à filha, a mãe que chega do trabalho e quer dormir, mas ao invés disso vais às compras, a mãe que faz os fatos de carnaval, e trata de todas as festas de aniversário, a mãe que adormece a pensar no almoço que não fez, nos legumes que comprou,a mãe que pouco dorme, a mãe que só quer 2 minutos de silêncio, a mãe que nos seus fins de semana quinzenais só quer dormir de sexta a domingo, a mãe que não tem paciência e se leva aos limites, a mãe que não escolheu ter filhos sozinha, mas acarreta com essa responsabilidade como se tivesse recorrido a um banco de esperma, a mãe que é uma MILF tem 40 anos mas é super divertida, gosta de jantar com amigas, namorar, ler um bom livro, fazer sexo, fazer amor, correr no parque, caminhar, dancar, estudar, fazer formaçoes, ser criativa, essa mãe esqueceu-se de ser mulher e recorreu ao fim de quase 41 anos de vida, a uma amiga, uma psicóloga, que lhe desse esperança e estratégia para recuperar a mulher que perdeu quando tomou decisão de ser mãe e agora nos últimos quase 2 anos literalmente mãe solteira!

Obrigada Dra Marta por me fazer voltar a acreditar que sou acima de tudo MULHER e não existe nada de errado nas minhas decisões nem no facto de querer voltar a ser eu própria, com todos os meus sonhos, desejos, e objetivos!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim

Pagamos uma casa a vida toda e agora ninguém quer passar os dias dentro dela

 Mais uma cultura portuguesa enraizada que felizmente começa a mudar! E porque não trabalhar dentro de casa, afinal pagamos uma renda, um empréstimo que não deixa de ser igualmente um crédito bancário. Ainda que tenhamos um trabalho no exterior, porque não trabalhar em casa, criar um cantinho para fazê-lo? Incentivar os vossos filhos a explorar uma capacidade....se com a idade deles pais e avós ganhavam dinheiro em fábricas, eles podem ganhar no conforto do seu lar, explorando os seus próprios dons e capacidades. Pagamos a nossa casa uma vida....são 100 mil...200 mil....300 mil...é que pensando bem na realidade actual ...sei que muitos são teletrabalho e aglomeram "n" tarefas ao que já têm, mas isto não será sempre assim, e porque não começar já hoje? Todos nós vimos ao mundo dotados de pelo menos 1 dom e 1 propósito de vida, dos quais somos dotados por Deus na nossa hora de nascimento. Existem pessoas que os descobrem e são felizes porque não é trabalho, é propósito, é dom,

Saudades das minhas gajas

Tenho saudades das minhas gajas, das gargalhadas, do verão, das danças, dos jantares, de socializar. Sinto saudades de fazer amor, de fazer sexo, de nadar no mar e fazer topless. Sinto saudades da sangria, da cerveja, do sunset, da areia da praia. das ondas do mar. Sinto saudades do teu beijo, do teu sorriso entre ele, e do teu abraço. Sinto saudade de não ter medo de amar, porque é bom amar sem medo. Sinto saudade do bikini, dos pés na areia, da brisa a bater-me na cara. Sinto saudades do alpendre lá de casa, do jardim de inverno, dos finais de tarde de verão. Sinto falta dos abraços, dos beijos, das borboletas na barriga, dos primeiros encontros. Sinto saudades de acordar com desejo e adormecer com paixão.  Sinto saudades do teu abraço aconchegante, do teu toque meigo, do teu mau feitio. Sinto saudades da paixão desenfreada e do tesão, mas mais saudades do teu amor calmo, que me serana, saudades da tua voz....aí a tua voz. Saudades dos jantares, de andar de mão dada na praia, de quan