Avançar para o conteúdo principal

A importância da Poupança e da Gestão de Orçamento

 Estou constantemente a falar nisto porque é de extrema importância ainda que em família constituida cada um de nós ter a sua própria poupança.

Deveriamos poupar no minimo 10% dos nossos ganhos  mensais, imagine que ganha 1300 euros, deve poupar 130 e se não conseguir pelo menos 65, se ainda assim for dificil....50, o importante é começar! Pode por isso como pagamento reforma por exemplo, e pôr a sair directamente da conta actual para a poupança.

Devemos pagar-nos a nós próprios, pelo menos uma mensalidade e gerir isso para gastos pessoais e pequenos luxos, definir isso também como um pagamento fixo mensal.

Eu instalei uma app no telemóvel denominada de gestor de orçamento. e tem funcionado lindamente, super prático, mal faço um pagamento, aponto de imediato,elimino papeis e talões, isso permite-me ter exatamente controle dos meus gastos, e de quanto eu necessito mensalmente para despesas fixas.

Nunca sabemos o dia de amanhã, e se ficaremos sozinhas, por isso é importante poupar, para emergências e futuros imprevistos.

Muitas das pessoas não se divorciam pelo medo da questão financeira, eu era uma delas. Tinha muito medo de não dar conta, vivia muito desafogada embora tivesse controle, porém, entrava o dobro do orçamento cá em casa e só saiu uma pessoa, e sabe lá Deus quanto mais podia ter entrado, nem eu sabia....só geria ...um valor mensal....a situação mantem-se....gerir um valor mensal...mesmo com todos os extras e imprevistos.

Quando li o livro da Marta, divórcio positivo, depressa compreendi que isso é o que mais assombra especialmente as mulheres....ainda vivemos numa cultura enraizada que os homens têm de ganhar mais e nos manter financeiramente....e gente não tapem o sol com a peneira....se o vosso salário for 1/3 ou 1/4 dos deles eles mantêm-vos financeiramente sim....eles têm o bolo e vocês uma fatia.

Outra dica importantissima é NUNCA, JAMAIS, EM MOMENTO ALGUM permitam que os vossos parceiros não comparticipem no que entra e sai financeiramente da vossa casa como não permitam que vos escondam contas, ou dinheiro, porque no final de contas quando a separação se dá....vocês verão navios disso.....fala a voz da experiência....

Questionem sempre todas as compras feitas sem que o valor do dinheiro tenha saído da vossa conta conjunta e que normalmente são investimentos avultados...isso destrói a confiança neles e em vocês bem como em todo o relacionamento.

Relacionamento na base de mentiras e coisas ocultas não é para ninguém e destrói a vossa confiança em possíveis e futuras relações sejam elas mais ou menos sérias.

Não vou dizer como cada um deve gerir o seu orçamento isso cabe a cada familia, mas cuidado com cartões de crédito ocultos, créditos ocultos, ganhos ocultos....uma coisa é pagar-se a si mesmo e poupar, outra coisa é enganar, mentir, omitir e roubar o seu parceiro.

Por isso poupem o vosso próprio dinheiro : PAY YOURSELF FIRST



Comentários

Mensagens populares deste blogue

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim

Pagamos uma casa a vida toda e agora ninguém quer passar os dias dentro dela

 Mais uma cultura portuguesa enraizada que felizmente começa a mudar! E porque não trabalhar dentro de casa, afinal pagamos uma renda, um empréstimo que não deixa de ser igualmente um crédito bancário. Ainda que tenhamos um trabalho no exterior, porque não trabalhar em casa, criar um cantinho para fazê-lo? Incentivar os vossos filhos a explorar uma capacidade....se com a idade deles pais e avós ganhavam dinheiro em fábricas, eles podem ganhar no conforto do seu lar, explorando os seus próprios dons e capacidades. Pagamos a nossa casa uma vida....são 100 mil...200 mil....300 mil...é que pensando bem na realidade actual ...sei que muitos são teletrabalho e aglomeram "n" tarefas ao que já têm, mas isto não será sempre assim, e porque não começar já hoje? Todos nós vimos ao mundo dotados de pelo menos 1 dom e 1 propósito de vida, dos quais somos dotados por Deus na nossa hora de nascimento. Existem pessoas que os descobrem e são felizes porque não é trabalho, é propósito, é dom,

Saudades das minhas gajas

Tenho saudades das minhas gajas, das gargalhadas, do verão, das danças, dos jantares, de socializar. Sinto saudades de fazer amor, de fazer sexo, de nadar no mar e fazer topless. Sinto saudades da sangria, da cerveja, do sunset, da areia da praia. das ondas do mar. Sinto saudades do teu beijo, do teu sorriso entre ele, e do teu abraço. Sinto saudade de não ter medo de amar, porque é bom amar sem medo. Sinto saudade do bikini, dos pés na areia, da brisa a bater-me na cara. Sinto saudades do alpendre lá de casa, do jardim de inverno, dos finais de tarde de verão. Sinto falta dos abraços, dos beijos, das borboletas na barriga, dos primeiros encontros. Sinto saudades de acordar com desejo e adormecer com paixão.  Sinto saudades do teu abraço aconchegante, do teu toque meigo, do teu mau feitio. Sinto saudades da paixão desenfreada e do tesão, mas mais saudades do teu amor calmo, que me serana, saudades da tua voz....aí a tua voz. Saudades dos jantares, de andar de mão dada na praia, de quan