Avançar para o conteúdo principal

Natal...e festas de final de ano!


Para mim o Natal foi sempre uma época especial.
É algo que como os nossos Mon Cherie e Ferrero Rocher, só acontece uma vez no ano.
Lembro-me da excitação que acontecia, na véspera de Natal, de não dormir bem ansiosa, com os presentes matinais.
A vida não era abundante, e os presentes não existiam á mão dum hipermercado, ou de uma saída às compras, tão vulgar como são agora os presentes anuais da crianças.
Eram outros tempos, que me ensinaram a valorizar o que tenho e a ser quem sou hoje, a pessoa que dá o seu melhor pelos meus, a vida mudou e já nem tudo se resume a coisas materiais, a deixar pedir presentes....hoje contento-me em oferecer-me um bom livro que leio diariamente, e um ou dois presentes para os mais pequenos.
Era o banquete do ano, em que tudo parecia ter outro sabor!
Embora ache que é bom receber, quem não gosta??, hoje percebo o valor de comprar, a dificuldade de pagar, as contas antes de investir.
Tudo se torna menos mágico na fase adulta...porque Natal significa logística, estar com uns e não estar com outros, separações familiares, decisões....e perdeu parte da sua magia por isso.
Desde que descobri o autismo do Salvador sinto-me embrenhada em pensamentos sobre aquilo que realmente significa o Natal aos dias de hoje.
A Lara adora o Natal, o Salvador também. 
Não me choca que passem metade comigo, metade com o pai, são diferentes experiências, e igualmente diferentes memórias.
Dentro de mim o Natal deveria continuar a ser aquele dia especial...mas há muito que não o é.
Este ano especialmente atipico, porque aqueles passeios ao quebrar da luz do dia, para vermos as luzes, as decorações, visitarmos outras cidades, tudo isso este ano se torna mais atípico.
Embora muita gente ainda o faça...mas isso cabe na consciencia de cada um...e na minha valem mais os abraços, os sorrisos sem máscara, os passeios livres ao fim-de-semana do que um capricho momentaneo.
Então prefiro aguardar o momento em que seremos livres sem sentir que infrinjo a regra do bom civísmo.
Hoje acordei com a sensação de que quero dar um novo valor a estas datas, não quebrar as tradições, e dar-lhes continuidade, mas isso só faz sentido, quando o espírito de Natal é bom convivío e boa comida, à volta de uma mesa farta, de coisas que só nos sabem nestes dias. As brincadeiras dos primos, que certamente guardarão na memória, tal qual eu guardei na minha.
Este ano o meu desejo de Natal...é que a Magia volte a ser o que era!

Feliz Natal e Bom ano Novo 



Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Fantasma do Compromisso

Já se perguntou quantos relacionamentos poderiam ter dado certo se fossem apenas e só amigos? Já reparam que quando começamos a "andar" ou "sair" com alguém supomos de imediato que temos de ser só daquela pessoa e começar a dar e a cobrar satisfações ? Nascemos sozinhos morreremos sozinhos, sozinhos chegamos, sozinhos partimos.... Não me canso de dizer isso, vimos a este mundo para partilhar e ter vivências uns com os outros, mas não somos, não devemos, não podemos ser posse do outro! Somos seres independentes e autonomos, e o que fazemos é partilhar e predispor da nossa companhia com determinadas pessoas! Porque é que muitas relações de amizade duram uma vida e os relacionamentos por vezes não? Prende-se ao fator compromisso, passamos a ser insconscientemente, propriedade um do outro, e se não somos comportamo-nos como tal...a pergunta é quem gosta de ser marionete e cingir-se ao outro ? ninguém , na verdade ninguém. Há quase sempre o dominado e o dominador, que é

Tricot

Quem me acompanha desde os primórdios, sabe que este blog já foi inteiramente dedicado ao tricot e se chamava lanzuda...pois bem confesso, que nos últimos tempos, não que não consiga, mas não tenho feito disso prioridade, embora vos confesse que tenho imensas saudades! Vou tricotar este ano alguns gorros para sem-abrigo, que é um projeto que tenho em mente há anos, eu vou mentalizando tudo na minha vida,projectando, vizualizando,co-criando, até que surja o momento certo para por em prática, e aí ninguém me segura! Para mim é terapia, e esta arte pode ser aplicada em centros de recuperação, porque tem a vertente calmante e terapeutica, e criar algo é sempre positivo ao ser humano! Mexe com os dois lados do cérebro em simultaneo, e pulsa o lado criativo, cada um pode por o seu cunho pessoal e é maravilhoso !  Tinha uma luta com meias, até que há dois anos e de forma autodidata, consegui fazer este par, com a lã Mondim , uma marca Portuguesa da Retrosaria ! Adoro, e este ano é para repeti

Reciclagem

 Por vezes dou por mim a pensar, que pagamos tanto papel e plástico, para deitar ao lixo....terrível.  Além do lixo que fazemos, também é um desperdicio? Hoje o post é super curto, ,as vale a pena pensar nisto!