Avançar para o conteúdo principal

Bloggers/Influencers reconhecidas e Alentejo

Claro que sou uma bloggerzinha de merda e ninguém se interessa com a minha opinião, ainda assim vou expor!

Antes demais citar que ainda há pessoas que não entendem ou entenderam que:
Passo a citar:

Bloggers/Influencers(B/I) tem um trabalho, e é esse, quando atingem um determinado número de seguidores, trocam publicidade por cenas,recebem cenas para publicitar, simples assim, outras não tão famosas, mas influencers e bloggers á mesma como eu, fazem publicidade porque gostam, e aconselham, e partilham mas não ganham cheta!

Então é assim, anda ai uma certa raiva no ar, acerca do Alentejo, e até estou em crer que algumas famosas B/I, já receberam umas estadiazinhas em determinados locais para publicitarem férias ali, neste cantinho de Portugal, ou simplesmente aproveitam-se de quem disse mal e estão a dizer bem para levarem vantagem!

Pois bem:
Ontem vi um post muito depreciativo, com criticas durissimas a uma Instagramer que eu até gosto, sigo e acho piada, porque ela disse e passo a citar: o post está disponível no facebook em alojamento local, bem como as criticas!

Que uma noite no Alentejo-Portugal, por 500/600 euros era demasíado! Concordo, sublinho, assino por baixo, relembro que num país onde se pede que se façam férias cá dentro e onde o salário mínimo são precisamente 635euros, também eu acho um absurdo!

Mais absurdo ainda é falarem em exclusividade: Pessoas exclusividade só dentro das nossas casas onde ninguém mete o bedelho, e não numa casa que depois do COVID-19, da quarentena, do isolamento social, ainda assim é partilhado por outras pessoas, que não sabemos de onde vêm onde estiverem, e gente não associem limpeza a dinheiro por isso muitas vezes não coaduna!

Ainda relembrando que a exclusividade ficou em casa 2 meses em confinamento, quarentena, whatever, mesmo assim , pessoas não aprenderam porra nenhuma, e sim isso é uma pena, e exclusividade e dinheiro também não faz pessoas humildes, inteligentes vai daí é triste.

Então vamos lá finalmente saber a minha opinião!

Querem exclusividade fiquem em casa!
Para ganhar 600 euros a maior percentagem dos trabalhadores tem de trabalhar 1 mês (falamos de uma noite senhores)
As bloggers/influencers trabalham, não as mandem trabalhar, porque esse é o trabalho delas, e se têm dor de coto porque recebem á borla em troca de publicidade, e publicidade gera vendas, não critiquem e façam como elas
Por fim é precisamente o que fazem determinados alojamentos que usam determinadas B/I mais conhecidas para discretamente publicitarem os seus espaços, não sejam porquinhos e desonestos vá lá!!!
Terminando assim por dizer que parece-me que há aqui um certo fanatismo por parte do Alentejo este ano e será que estou enganada????
Síndrome do Algarve será???
Porque este ano os portugueses excluisvos e com dinheiro não se querem misturar com os estrangeiros?????
Acho um bocado preconceituoso!!!

Dito isto :
Boas férias!





Comentários

Mensagens populares deste blogue

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim

Pagamos uma casa a vida toda e agora ninguém quer passar os dias dentro dela

 Mais uma cultura portuguesa enraizada que felizmente começa a mudar! E porque não trabalhar dentro de casa, afinal pagamos uma renda, um empréstimo que não deixa de ser igualmente um crédito bancário. Ainda que tenhamos um trabalho no exterior, porque não trabalhar em casa, criar um cantinho para fazê-lo? Incentivar os vossos filhos a explorar uma capacidade....se com a idade deles pais e avós ganhavam dinheiro em fábricas, eles podem ganhar no conforto do seu lar, explorando os seus próprios dons e capacidades. Pagamos a nossa casa uma vida....são 100 mil...200 mil....300 mil...é que pensando bem na realidade actual ...sei que muitos são teletrabalho e aglomeram "n" tarefas ao que já têm, mas isto não será sempre assim, e porque não começar já hoje? Todos nós vimos ao mundo dotados de pelo menos 1 dom e 1 propósito de vida, dos quais somos dotados por Deus na nossa hora de nascimento. Existem pessoas que os descobrem e são felizes porque não é trabalho, é propósito, é dom,

Saudades das minhas gajas

Tenho saudades das minhas gajas, das gargalhadas, do verão, das danças, dos jantares, de socializar. Sinto saudades de fazer amor, de fazer sexo, de nadar no mar e fazer topless. Sinto saudades da sangria, da cerveja, do sunset, da areia da praia. das ondas do mar. Sinto saudades do teu beijo, do teu sorriso entre ele, e do teu abraço. Sinto saudade de não ter medo de amar, porque é bom amar sem medo. Sinto saudade do bikini, dos pés na areia, da brisa a bater-me na cara. Sinto saudades do alpendre lá de casa, do jardim de inverno, dos finais de tarde de verão. Sinto falta dos abraços, dos beijos, das borboletas na barriga, dos primeiros encontros. Sinto saudades de acordar com desejo e adormecer com paixão.  Sinto saudades do teu abraço aconchegante, do teu toque meigo, do teu mau feitio. Sinto saudades da paixão desenfreada e do tesão, mas mais saudades do teu amor calmo, que me serana, saudades da tua voz....aí a tua voz. Saudades dos jantares, de andar de mão dada na praia, de quan