Avançar para o conteúdo principal

A depressão das mães Autistas

Quase ninguém fala sobre este tema, e vou abordar eu que sou mãe de um Autista.

Comportamentalmente muitas vezes uma criança Autista ainda que com 6/7 anos comporta-se exatamente da mesma forma que uma um bebé que não fala e uma criança de 2 anos.

Chega a ser um misto!
Quando o seu dia foi mau e foram agressivos com elas elas reproduzem esses comportamentos em casa, para além de regredirem em algumas capacidades já adquiridas, nomeadamente forma de comer, estragar ou partir objectos, sujar coisas, e fazer as necessidades fora da casa de banho, dormir tarde e dormir mal!
A ausencia de uma pessoa de referência também pode criar no autista os mesmos comportamentos, e aqui inclui choro, pontapés, beliscões e puxões de cabelo!

A nível de desgaste fisico para uma mãe, isto é uma sobrecarga diária! 
Por muito fortes que sejamos, é impossível não desejarmos na maioria dos dias ter uma criança "normal" e não nos perguntarmos lavadas em lágrimas porquê eu??? Porquê comigo? Ninguém tem culpa como é obvio, e dentro das palavras de incetivo que ouço e leio e sou grata, por vezes só me ocorre dizer, não eu não sou forte assim, NINGUÈM é suficientemente forte assim.
Depois de 2 meses inteiros em casa, e agora mais um igualmente cheio de responsabilidades, ocorre-me pensar que em vez de ir trabalhar, me apetecia meter no carro e desapararecer!
E não tem mal nenhum dizer-vos isso, porque nós somos frágeis também, nós somos seres humanos com limitações, e dependendo dos dias, aceitamos melhor ou pior!
Sim eu estive completamente sozinha! E só descanso de 15 em 15 dias ao fim de semana, e umas horas que a santa da D Sofia me fica com ele.
Toda a gente se afasta do Salvador, ninguém quer contacto com ele, toda a gente tem medo dele, tem receio, e ele sente-se rejeitado. e eu como mãe também! A irmã tem onde ficar agora, se fosse ele ninguém o queria....e isso parte-me o coração!
Claro que podia pedir ajuda e peço, a única pessoa que não é da família e me fica sempre que peço com ele,( e não é quando o rei faz anos) a minha irmá também se oferece, mas ela também tem o descanso dela, mas lá ele também fica bem, se não lidarem com ele estão a isolar o miúdo da sociedade.
Fui julgada muitas vezes por não o levar a socializar, mas se um elefante incomoda muita gente, um autista incomoda muito mais, e se o meu filho incomoda, eu também.
Mas privo a irmã também, e isso é tão, tão injusto.

Dizemos não a tudo, não queremos socializar, e nós próprias, acabamos por ser não sociáveis, porque não tem como....acabamos por nos fechar num pequeno circulo, e passar grande parte do tempo sozinhas para descansar!



Ontem a irma saiu, porque tem de ter a sua vida, não posso priva-la mais de ter uma vida regular. ele vinha chateado, tornou-se agressivo, adormeceu a 1 da manhã e exaustos os dois, decidimos adormecer....em lágrimas!
Entendam que o Autista não é agressivo em si, ele reproduz comportamentos, se não comunica e lhe batem, ou o magoam, ele vai reproduzir como forma de queixa, em quem confia, e nesta altura é dificil gerir....se damos palmada ele vai ficar pior, se abraçamos pode magoar-nos, temos de o deixar na frustração sem ajuda para eles e para nós!

Pensem que uma criança autista equivale a várias crianças! Não quero que tenham pena de nós quero que nos ACEITEM.




Uma mãe autista, é um soldado num campo de minas!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tricot

Quem me acompanha desde os primórdios, sabe que este blog já foi inteiramente dedicado ao tricot e se chamava lanzuda...pois bem confesso, que nos últimos tempos, não que não consiga, mas não tenho feito disso prioridade, embora vos confesse que tenho imensas saudades! Vou tricotar este ano alguns gorros para sem-abrigo, que é um projeto que tenho em mente há anos, eu vou mentalizando tudo na minha vida,projectando, vizualizando,co-criando, até que surja o momento certo para por em prática, e aí ninguém me segura! Para mim é terapia, e esta arte pode ser aplicada em centros de recuperação, porque tem a vertente calmante e terapeutica, e criar algo é sempre positivo ao ser humano! Mexe com os dois lados do cérebro em simultaneo, e pulsa o lado criativo, cada um pode por o seu cunho pessoal e é maravilhoso !  Tinha uma luta com meias, até que há dois anos e de forma autodidata, consegui fazer este par, com a lã Mondim , uma marca Portuguesa da Retrosaria ! Adoro, e este ano é para repeti

Projecto- Um gorro que aquece um coração!

Então tenho sido impelida por uma vontade de ajuda ao próximo. Já foram muitas as peças que tricotei, incluindo mantas e gorros que já perdi a conta. Agora estou vocacionada para fazer peças que aqueçam um coração e uma cabeça nestas noites frias. Como o gorro é uma peça rápida e fácil de se fazer! Vou fazer alguns, para o meu primeiro voluntariado. Lanço o desafio, a quem tem jeito e tempo que ofereça uma peça a alguém mais necessitado este Natal! Numa peça feita à mão vai dedicação e amor e por isso concerteza aquecerã muito mais que o corpo, aquecerá a alma também! Boa sorte no vosso processo! Já ando há muito com a necessidade de  

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim