Avançar para o conteúdo principal

A depressão das mães Autistas

Quase ninguém fala sobre este tema, e vou abordar eu que sou mãe de um Autista.

Comportamentalmente muitas vezes uma criança Autista ainda que com 6/7 anos comporta-se exatamente da mesma forma que uma um bebé que não fala e uma criança de 2 anos.

Chega a ser um misto!
Quando o seu dia foi mau e foram agressivos com elas elas reproduzem esses comportamentos em casa, para além de regredirem em algumas capacidades já adquiridas, nomeadamente forma de comer, estragar ou partir objectos, sujar coisas, e fazer as necessidades fora da casa de banho, dormir tarde e dormir mal!
A ausencia de uma pessoa de referência também pode criar no autista os mesmos comportamentos, e aqui inclui choro, pontapés, beliscões e puxões de cabelo!

A nível de desgaste fisico para uma mãe, isto é uma sobrecarga diária! 
Por muito fortes que sejamos, é impossível não desejarmos na maioria dos dias ter uma criança "normal" e não nos perguntarmos lavadas em lágrimas porquê eu??? Porquê comigo? Ninguém tem culpa como é obvio, e dentro das palavras de incetivo que ouço e leio e sou grata, por vezes só me ocorre dizer, não eu não sou forte assim, NINGUÈM é suficientemente forte assim.
Depois de 2 meses inteiros em casa, e agora mais um igualmente cheio de responsabilidades, ocorre-me pensar que em vez de ir trabalhar, me apetecia meter no carro e desapararecer!
E não tem mal nenhum dizer-vos isso, porque nós somos frágeis também, nós somos seres humanos com limitações, e dependendo dos dias, aceitamos melhor ou pior!
Sim eu estive completamente sozinha! E só descanso de 15 em 15 dias ao fim de semana, e umas horas que a santa da D Sofia me fica com ele.
Toda a gente se afasta do Salvador, ninguém quer contacto com ele, toda a gente tem medo dele, tem receio, e ele sente-se rejeitado. e eu como mãe também! A irmã tem onde ficar agora, se fosse ele ninguém o queria....e isso parte-me o coração!
Claro que podia pedir ajuda e peço, a única pessoa que não é da família e me fica sempre que peço com ele,( e não é quando o rei faz anos) a minha irmá também se oferece, mas ela também tem o descanso dela, mas lá ele também fica bem, se não lidarem com ele estão a isolar o miúdo da sociedade.
Fui julgada muitas vezes por não o levar a socializar, mas se um elefante incomoda muita gente, um autista incomoda muito mais, e se o meu filho incomoda, eu também.
Mas privo a irmã também, e isso é tão, tão injusto.

Dizemos não a tudo, não queremos socializar, e nós próprias, acabamos por ser não sociáveis, porque não tem como....acabamos por nos fechar num pequeno circulo, e passar grande parte do tempo sozinhas para descansar!



Ontem a irma saiu, porque tem de ter a sua vida, não posso priva-la mais de ter uma vida regular. ele vinha chateado, tornou-se agressivo, adormeceu a 1 da manhã e exaustos os dois, decidimos adormecer....em lágrimas!
Entendam que o Autista não é agressivo em si, ele reproduz comportamentos, se não comunica e lhe batem, ou o magoam, ele vai reproduzir como forma de queixa, em quem confia, e nesta altura é dificil gerir....se damos palmada ele vai ficar pior, se abraçamos pode magoar-nos, temos de o deixar na frustração sem ajuda para eles e para nós!

Pensem que uma criança autista equivale a várias crianças! Não quero que tenham pena de nós quero que nos ACEITEM.




Uma mãe autista, é um soldado num campo de minas!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim

Pagamos uma casa a vida toda e agora ninguém quer passar os dias dentro dela

 Mais uma cultura portuguesa enraizada que felizmente começa a mudar! E porque não trabalhar dentro de casa, afinal pagamos uma renda, um empréstimo que não deixa de ser igualmente um crédito bancário. Ainda que tenhamos um trabalho no exterior, porque não trabalhar em casa, criar um cantinho para fazê-lo? Incentivar os vossos filhos a explorar uma capacidade....se com a idade deles pais e avós ganhavam dinheiro em fábricas, eles podem ganhar no conforto do seu lar, explorando os seus próprios dons e capacidades. Pagamos a nossa casa uma vida....são 100 mil...200 mil....300 mil...é que pensando bem na realidade actual ...sei que muitos são teletrabalho e aglomeram "n" tarefas ao que já têm, mas isto não será sempre assim, e porque não começar já hoje? Todos nós vimos ao mundo dotados de pelo menos 1 dom e 1 propósito de vida, dos quais somos dotados por Deus na nossa hora de nascimento. Existem pessoas que os descobrem e são felizes porque não é trabalho, é propósito, é dom,

Saudades das minhas gajas

Tenho saudades das minhas gajas, das gargalhadas, do verão, das danças, dos jantares, de socializar. Sinto saudades de fazer amor, de fazer sexo, de nadar no mar e fazer topless. Sinto saudades da sangria, da cerveja, do sunset, da areia da praia. das ondas do mar. Sinto saudades do teu beijo, do teu sorriso entre ele, e do teu abraço. Sinto saudade de não ter medo de amar, porque é bom amar sem medo. Sinto saudade do bikini, dos pés na areia, da brisa a bater-me na cara. Sinto saudades do alpendre lá de casa, do jardim de inverno, dos finais de tarde de verão. Sinto falta dos abraços, dos beijos, das borboletas na barriga, dos primeiros encontros. Sinto saudades de acordar com desejo e adormecer com paixão.  Sinto saudades do teu abraço aconchegante, do teu toque meigo, do teu mau feitio. Sinto saudades da paixão desenfreada e do tesão, mas mais saudades do teu amor calmo, que me serana, saudades da tua voz....aí a tua voz. Saudades dos jantares, de andar de mão dada na praia, de quan