Avançar para o conteúdo principal

Menos é mais!

Quem segue este blog sabe que um dos temas que mais abordo aqui é este:

Menos tralha física; menos emocional!

Não é fácil quando o espaço não depende só e exclusivamente de nós! Já ando aqui há quase 40 anos, e posso dizer-vos que nestes últimos 10, é uma luta constante, compramos muito, atafolhamos muito, tralhamos muito, enchemo-nos de tralha, e enchemos o nosso emocional do mesmo, o grande problema de tudo isso é que comprar tornou-se a nossa droga, acho que tudo começou com as lojas dos 300...lembram-se disso? Tralhinhas a baixo preço que somadas dão preços muito altos!
O aumento das marcas baratas e consequentemente a diminuição da qualidade!
Esta semana vi uma série no Netflix, tem vários episódios, chama-se BROKEN, acho que fiquei um bocado chocada, e por vezes temos de ser constantemente relembrados, da economia que é o nosso mundo, e o quanto estamos a inconscientemente danificar o planeta! Que sobre a reciclagem metade do que lá colocamos com esforço, não é reciclável, que o plástico é um enorme negócio, se pensarem retiraram sacos ao dispor para não poluir o ambiente, e agora pagamos esses sacos...negócio!
Antes de reutilizarmos, investimos na sua compra....negócio! Até nos habituarmos à ideia, compramos imensos, negócio!
Eu própria erro todos os dias, e não estou aqui a crucificar ninguém, mas desde que o Salvador nasceu, e sendo ele Autista, valor a coisas materiais é zero....o meu filho brinca do que o mundo lhe dá!
Qualquer coisa para ele é relaxante, na praia brinca com as ondas, com a areia, com pedras, no campo brinca com folhas, paus, e explora, para ele brinquedos é algo desnecessário, não usa telemóvel, nem tablet...
o mundo consumista em que estamos embargados, simplesmente nos está a retirar energia, e a deixar-nos doentes, curamo-nos emocionalmente com coisas, e isso tem de parar!

As coisas devem ser para usar e abusar, e mais vale consumir uma experiência relaxante do que uma roupa que vai esperar no armário para sair uma vez  à rua, devemos pensar que trabalhamos para os nossos filhos, mas não temos tempo para eles, trabalhamos para ter coisas em casa, e basicamente vamos lá dormir,  investimos em matéria, matéria, matéria!

Não vamos deixar de comprar, isso engloba muito emprego, porem trabalhamos demasiadas horas para produzir.....nenhum de nós enriquece tanto com isso...perdemos tempo...qualidade de vida ...as pessoas não tem tempo para a familia, com  os empregos a pedir produção constante para esta sociedade de consumo imediato....vale a pena pensar nisso!!!!

Somos uma sociedade de consumo rasca e imediato, num minuto estamos a comprar algo que nos traz prazer, e no seguinte a criar stress porque gastamos dinheiro, e nem sabemos bem onde vamos atafulhar mais essa coisita lá em casa!

Vamos pensar um pouco nisto!
No meio disto tudo a lição é: Você compra o que realmente é importante ou essencial????
Ou compra para curar um trauma emocional, que nem sabe muito bem qual é ????





Comentários

Mensagens populares deste blogue

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim

Pagamos uma casa a vida toda e agora ninguém quer passar os dias dentro dela

 Mais uma cultura portuguesa enraizada que felizmente começa a mudar! E porque não trabalhar dentro de casa, afinal pagamos uma renda, um empréstimo que não deixa de ser igualmente um crédito bancário. Ainda que tenhamos um trabalho no exterior, porque não trabalhar em casa, criar um cantinho para fazê-lo? Incentivar os vossos filhos a explorar uma capacidade....se com a idade deles pais e avós ganhavam dinheiro em fábricas, eles podem ganhar no conforto do seu lar, explorando os seus próprios dons e capacidades. Pagamos a nossa casa uma vida....são 100 mil...200 mil....300 mil...é que pensando bem na realidade actual ...sei que muitos são teletrabalho e aglomeram "n" tarefas ao que já têm, mas isto não será sempre assim, e porque não começar já hoje? Todos nós vimos ao mundo dotados de pelo menos 1 dom e 1 propósito de vida, dos quais somos dotados por Deus na nossa hora de nascimento. Existem pessoas que os descobrem e são felizes porque não é trabalho, é propósito, é dom,

Saudades das minhas gajas

Tenho saudades das minhas gajas, das gargalhadas, do verão, das danças, dos jantares, de socializar. Sinto saudades de fazer amor, de fazer sexo, de nadar no mar e fazer topless. Sinto saudades da sangria, da cerveja, do sunset, da areia da praia. das ondas do mar. Sinto saudades do teu beijo, do teu sorriso entre ele, e do teu abraço. Sinto saudade de não ter medo de amar, porque é bom amar sem medo. Sinto saudade do bikini, dos pés na areia, da brisa a bater-me na cara. Sinto saudades do alpendre lá de casa, do jardim de inverno, dos finais de tarde de verão. Sinto falta dos abraços, dos beijos, das borboletas na barriga, dos primeiros encontros. Sinto saudades de acordar com desejo e adormecer com paixão.  Sinto saudades do teu abraço aconchegante, do teu toque meigo, do teu mau feitio. Sinto saudades da paixão desenfreada e do tesão, mas mais saudades do teu amor calmo, que me serana, saudades da tua voz....aí a tua voz. Saudades dos jantares, de andar de mão dada na praia, de quan