Avançar para o conteúdo principal

Somos Mães- Monoparentalidade



Confesso que não fui apaixonada por estar grávida, a segunda gravidez (esta do Salvador), bem mais madura e tranquila! Sempre vi o processo de gravidez como um meio para alcance de um fim!
Não há forma de os filhos não nascerem de dentro de nós se não crescerem dentro de nós!
E não há outra forma de ser mãe na sua totalidade, na minha forma de encarar as coisas!!!
(ressalvando aqui todas e quaisquer outras possibilidades que existem e não permitem que se seja mãe da forma de gestação convencional)

Sentirmos alguém a crescer dentro de nós a evoluir e todo o sentido de peso que isso acarreta é de uma enorme responsabilidade! Pensando bem começamos assim MONOPARENTAIS!
O pai põe a semente mas cabe-nos a nós toda a gestação e evolução da mesma dentro dos parametros da normalidade!
Todas as emoções que sentimos, todas as trasnformações começam ai!

Por isso não há nada que se compare à força que temos, e ao peso que temos na vida dos nossos filhos!
Somos nós as responsáveis pelo seu crescimento, sucesso ou insucesso, o elo, o vínculo, não existe de forma igual!
A presença de um pai, é e será sempre importante e a meu ver fundamental, presente ou mais ausente na vida de um filho, e salvo algumas excepções, que também existem, somos mães e pais, na maioria dos dias, das noites, das decisões, umas por opção porque preferem cuidar de tudo sozinhas, e outras porque a vida se encarrega de trazer a situação!
Muitas das vezes só pedimos opinião para não sentirmos que erramos, mas se errarmos a culpa será nossa da mesma forma, pelo menos eu como mãe sinto assim!
Culpa por fazer, culpa por não fazer, a eterna culpa maternal do poder da decisão de uma outra vida!
Da escolha das roupas, dos biberons, da mala de maternidade, de organizar consultas, agendas e tudo o que faz parte desta longa jornada!

Hoje reparo muitas vezes nas mães muito empenhadas e embrenhadas na situação, emocionadas até, e os pais muitas vezes muito empenhados e embrenhados nos seus telemóveis e cenas, a levantar os olhos so para responder se vai o azul ou o cinza!!! 
Na verdade eles nem distinguem uma cor da outra, um babygrow de um babydoll, então porque nos valemos da importância da sua opinião, se para eles é um bocadinho indiferente????
Afinal na maioria das vezes somos nós que vamos vestir, lavar e passar com amor aquela roupinha!!!

Porque cuidar dos filhos é um ACTO DE AMOR!
(vale a pena pensar nisto)

Tudo isto para dizer que a Monoparentalidade começa quando engravidamos, daí muitas mulheres optarem por ter filhos sozinhas! 
Somos encarregues do parto, da amamentação, da cura do nosso corpo, e tudo em simultâneo!

Este texto é para todas as mães guerreiras que abraçam a maternidade e paternidade em simultâneo, que salvo raras excepções, com ou sem pai presente somos quase todas!
Por isso nunca dúvidem da vossa capacidade de luta e de preserverança quando a questão são os filhos, porque são capazes, somos capazes, e concerteza iremos fazer um excelente trabalho dentro da culpa e do medo que nos acompanham desde o momento em que o teste de gravidez diz que sim : SOMOS MÃES!!!





Comentários

Mensagens populares deste blogue

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim

Pagamos uma casa a vida toda e agora ninguém quer passar os dias dentro dela

 Mais uma cultura portuguesa enraizada que felizmente começa a mudar! E porque não trabalhar dentro de casa, afinal pagamos uma renda, um empréstimo que não deixa de ser igualmente um crédito bancário. Ainda que tenhamos um trabalho no exterior, porque não trabalhar em casa, criar um cantinho para fazê-lo? Incentivar os vossos filhos a explorar uma capacidade....se com a idade deles pais e avós ganhavam dinheiro em fábricas, eles podem ganhar no conforto do seu lar, explorando os seus próprios dons e capacidades. Pagamos a nossa casa uma vida....são 100 mil...200 mil....300 mil...é que pensando bem na realidade actual ...sei que muitos são teletrabalho e aglomeram "n" tarefas ao que já têm, mas isto não será sempre assim, e porque não começar já hoje? Todos nós vimos ao mundo dotados de pelo menos 1 dom e 1 propósito de vida, dos quais somos dotados por Deus na nossa hora de nascimento. Existem pessoas que os descobrem e são felizes porque não é trabalho, é propósito, é dom,

Saudades das minhas gajas

Tenho saudades das minhas gajas, das gargalhadas, do verão, das danças, dos jantares, de socializar. Sinto saudades de fazer amor, de fazer sexo, de nadar no mar e fazer topless. Sinto saudades da sangria, da cerveja, do sunset, da areia da praia. das ondas do mar. Sinto saudades do teu beijo, do teu sorriso entre ele, e do teu abraço. Sinto saudade de não ter medo de amar, porque é bom amar sem medo. Sinto saudade do bikini, dos pés na areia, da brisa a bater-me na cara. Sinto saudades do alpendre lá de casa, do jardim de inverno, dos finais de tarde de verão. Sinto falta dos abraços, dos beijos, das borboletas na barriga, dos primeiros encontros. Sinto saudades de acordar com desejo e adormecer com paixão.  Sinto saudades do teu abraço aconchegante, do teu toque meigo, do teu mau feitio. Sinto saudades da paixão desenfreada e do tesão, mas mais saudades do teu amor calmo, que me serana, saudades da tua voz....aí a tua voz. Saudades dos jantares, de andar de mão dada na praia, de quan