Avançar para o conteúdo principal

De volta ao tricot, e onde tudo começou!

Regressamos ao tricot e onde tudo começou!
Este que começou por se chamar Lanzuda e agora se chama Uma Casa Portuguesa!
Pois bem, regressamos ao tricot. e diz que este inverno vai ser rigoroso, há que precaver.

A minha história com o tricot remonta ao ano de 2012, quando mudei de vida, cidade e deixei de trabalhar!

Descobri lojas como a Ovelha Negra e retomei ao amor pelo tricot, lembro-me e hoje passados 6 anos ainda me rio disso...lembro-me que já não sabia fazer a famosa "manta de gato". mas depois devagar e com teimosia a coisa foi-se dando e hoje em dia tricoto até camisolas. de uma forma autodidata.

O tricot tirou-me do marasmo, ocupou-me o tempo, a criatividade e o gosto por criar.

Sei que há quem ache que tricot é coisa de velhos, mas na verdade eu acho que o tricot para além de trabalhar com os dois lados do cérebro, é terapéutico, e pode ajudar pessoas que se sentem sozinhas, ou estão doentes, quer em hospitais, quer em lares, e criar a nossa prória roupa, para mim é algo que não tem preço!


A minha ajudou-me e ajuda-me nos dias mais solitários e parados, para mim é Terapia!

Pode também servir para ajudar quem mais precisa. com fim solidário!

Já foram tantas as peças que fiz e desfiz. tantas as pessoas que conheci através desta arte que realmente para mim só me ocorre uma palavra : GRATIDÃO :)

O que mais gosto de tricotar: gorros
O que ainda não sei tricotar: meias 










Para hoje deixo-vos algumas das peças em arquivo!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim

Pagamos uma casa a vida toda e agora ninguém quer passar os dias dentro dela

 Mais uma cultura portuguesa enraizada que felizmente começa a mudar! E porque não trabalhar dentro de casa, afinal pagamos uma renda, um empréstimo que não deixa de ser igualmente um crédito bancário. Ainda que tenhamos um trabalho no exterior, porque não trabalhar em casa, criar um cantinho para fazê-lo? Incentivar os vossos filhos a explorar uma capacidade....se com a idade deles pais e avós ganhavam dinheiro em fábricas, eles podem ganhar no conforto do seu lar, explorando os seus próprios dons e capacidades. Pagamos a nossa casa uma vida....são 100 mil...200 mil....300 mil...é que pensando bem na realidade actual ...sei que muitos são teletrabalho e aglomeram "n" tarefas ao que já têm, mas isto não será sempre assim, e porque não começar já hoje? Todos nós vimos ao mundo dotados de pelo menos 1 dom e 1 propósito de vida, dos quais somos dotados por Deus na nossa hora de nascimento. Existem pessoas que os descobrem e são felizes porque não é trabalho, é propósito, é dom,

Saudades das minhas gajas

Tenho saudades das minhas gajas, das gargalhadas, do verão, das danças, dos jantares, de socializar. Sinto saudades de fazer amor, de fazer sexo, de nadar no mar e fazer topless. Sinto saudades da sangria, da cerveja, do sunset, da areia da praia. das ondas do mar. Sinto saudades do teu beijo, do teu sorriso entre ele, e do teu abraço. Sinto saudade de não ter medo de amar, porque é bom amar sem medo. Sinto saudade do bikini, dos pés na areia, da brisa a bater-me na cara. Sinto saudades do alpendre lá de casa, do jardim de inverno, dos finais de tarde de verão. Sinto falta dos abraços, dos beijos, das borboletas na barriga, dos primeiros encontros. Sinto saudades de acordar com desejo e adormecer com paixão.  Sinto saudades do teu abraço aconchegante, do teu toque meigo, do teu mau feitio. Sinto saudades da paixão desenfreada e do tesão, mas mais saudades do teu amor calmo, que me serana, saudades da tua voz....aí a tua voz. Saudades dos jantares, de andar de mão dada na praia, de quan