Avançar para o conteúdo principal

A começar a semana da pior forma

Imaginem o que é começarem a vossa semana de trabalho, depois de uma noite em que metade se passou acordada, e enquanto preparam o lanche acontece isto...
Pois é, ninguém imagina que uma criança de quase 4 anos, para além de ainda usar fraldas, faça esta asneira, sim porque a maioria dos pais, só sabem o que são fraldas pelo máximo de 3 anos.
Assim está a começar a nossa semana, e por vezes ainda me perguntam porque não trabalho?
Talvez porque o que eu ganho não dê para pagar a alguém que venha aqui a casa limpar estas asneiras....porque não ia ter tempo de limpar antes de sair, e porque se não estou a olhar para ele o tempo todo, estas e outras asneiras acontecem.
E sim isto também faz parte do autismo, a completa ausência da noção da asneira.

Claro que tudo que ouvimos é paciência, pois é paciência, mas a paciência, não corrige estas asneiras.
Depois de sair de casa, como se tivesse feito o turno da noite no Hospital na noite do Pinheiro, misturada, com uma noite de lua cheia, e de o ter levado à escola olhei para o meu quarto e só para não desabar em lágrimas, decidi escrever aqui.
Isto é uma parte de como ficou o quarto, incluindo ainda, chão, e cama.

Não se iludam com floreados sobre a vida com um Autista, isto sim faz parte da vida com um Autista, e a nossa realidade é esta e é isto que as pessoas também têm de entender, sobre este lado menos simpático e mais caótico da síndrome!

E por esse motivo a minha exposição, pelo mesmo motivo que outras pessoas escondem este lado, eu decido expor.
A palavra desgaste não é suficiente para descrever o que sente um pai e uma mãe, que lutam contra isto todos os dias.

Pura e simplesmente não existem fórmulas mágicas. Há dias em que nada parece conseguir ajudá-lo, há dias em que nada parece conseguir ajudar-nos.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tricot

Quem me acompanha desde os primórdios, sabe que este blog já foi inteiramente dedicado ao tricot e se chamava lanzuda...pois bem confesso, que nos últimos tempos, não que não consiga, mas não tenho feito disso prioridade, embora vos confesse que tenho imensas saudades! Vou tricotar este ano alguns gorros para sem-abrigo, que é um projeto que tenho em mente há anos, eu vou mentalizando tudo na minha vida,projectando, vizualizando,co-criando, até que surja o momento certo para por em prática, e aí ninguém me segura! Para mim é terapia, e esta arte pode ser aplicada em centros de recuperação, porque tem a vertente calmante e terapeutica, e criar algo é sempre positivo ao ser humano! Mexe com os dois lados do cérebro em simultaneo, e pulsa o lado criativo, cada um pode por o seu cunho pessoal e é maravilhoso !  Tinha uma luta com meias, até que há dois anos e de forma autodidata, consegui fazer este par, com a lã Mondim , uma marca Portuguesa da Retrosaria ! Adoro, e este ano é para repeti

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim

Projecto- Um gorro que aquece um coração!

Então tenho sido impelida por uma vontade de ajuda ao próximo. Já foram muitas as peças que tricotei, incluindo mantas e gorros que já perdi a conta. Agora estou vocacionada para fazer peças que aqueçam um coração e uma cabeça nestas noites frias. Como o gorro é uma peça rápida e fácil de se fazer! Vou fazer alguns, para o meu primeiro voluntariado. Lanço o desafio, a quem tem jeito e tempo que ofereça uma peça a alguém mais necessitado este Natal! Numa peça feita à mão vai dedicação e amor e por isso concerteza aquecerã muito mais que o corpo, aquecerá a alma também! Boa sorte no vosso processo! Já ando há muito com a necessidade de