Avançar para o conteúdo principal

Quando temos aquela conversa com os filhos!


Nós por aqui e principalmente eu, temos conversas muito realistas e francas com os nossos filhos, principalmente com a nossa filha que tarda nada completa 9 anos.

Acho que todos os filhos até trabalharem para terem o seu próprio dinheiro, têm um bocado a noção que o dinheiro cai das árvores, que os pais têm dinheiro para tudo, e que tudo que temos deve ter surgido de algum lado assim gratuitamente.

No entanto é bom sempre lembrar e esclarecer aos nossos filhos, que tudo o que eles têm e nós temos, é resultado de esforço, trabalho e poupanças.
Claro que queremos sempre aquilo que cada um na sua consciência considera o "melhor", no entanto, temos de os alertar para aquilo que é realmente importante e aquilo que é superfulo, de forma a que entendam que todas as coisas que fazemos e não são essenciais ao bem estar, tal como casa, mercearia, gás, electricidade, água, roupa, são esforço de uma poupança, e de uma boa gestão financeira, no entanto se tivermos de abdicar de tudo isso para manter os bens essenciais, fazemos e pronto.
Acho que todas as famílias em determinada altura da vida tiveram ou têm de passar por reajustes, recomeços, porque coisas acontecem independentemente da nossa vontade, e surgem despesas inesperadas, todos os meses.

Não é por acaso que se diz que para tirar da poupança é fácil, para repor nem tanto assim!

No entanto é importante que percebam que:
A casa custa dinheiro
A escola também
Tudo o que comemos e vestimos, tem de ser pago.
E que quando os pais cometem uma pequena extravagancia, o dobro já foi anteriormente gasto com eles!
Que só damos verdadeiramente valor ao dinheiro quando o ganhamos e poupamos e por vezes esticamos, a fazer malabarismos contabilísticos!


Se deixarmos de pagar  estes bens, ficamos sem eles, e que isso é realmente essencial à nossa vida!
Que há alturas em que podemos excedermos um pouco e até cometer um extravagância, mas desde que isso não comprometa todas as outras despesas.

Hoje em dia ensina-se muitas coisas às crianças, mas a vida real é só essa, de nada adianta saber matemática, se não existe dinheiro para contar e só chegam contas para pagar!
Temos de ensinar às nossas crianças, que eles podem ser excelentes alunos, ter um boa formação, um bom emprego, mas têm de saber dar o verdadeiro valor ao dinheiro, e que estabilidade ou instabilidade financeira, trazem consigo outros problemas acrescidos!

A nossa filha tem o dinheiro dela, o que as tias, avós e madrinha lhe vão dando, desde o ano passado que a deixamos gerir, tudo isto porque quer  um telemóvel, e para quando quer comprar coisas que não estão na lista de prioridades,  e porquê?

Porque se quer um telemóvel terá de juntar para ele, porque nunca dará o verdadeiro valor de outra forma.
(Claro que depois nos vai dar o dinheiro para a compra  e ele vai directamente para o banco :), mas na verdade ela não sabe esta parte, para todos os efeitos ela é que comprou).
Assim se perder ou partir, ela saberá também que precisa de mais dinheiro para o arranjar, ou o mesmo dinheiro e o mesmo tempo de espera para comprar outro!

Para que entenda que o dinheiro demora tempo a juntar!
E que se o gastar bem ou mal, o vai perdendo!

E porque mais vale saber isto aos 8 que aos 18 ou 28!

Acho muito importante que os nossos filhos mesmo não trabalhando, mesmo que lhe seja dado dinheiro, saibam que ele além de durar pouco, tem valor!

Saber que no supermercado uma caixa de cereais é o equivalente a 4 pacotes de leite, e que se tivermos de abdicar de um dos produtos terão de ser os cereais, porque:

A- os cereais não são essenciais
B- o leite é essencial, e quatro embalagens não dão apenas para uma pessoa, mas para 4 que tomem leite!


E vocês ensinam o valor do dinheiro???


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tricot

Quem me acompanha desde os primórdios, sabe que este blog já foi inteiramente dedicado ao tricot e se chamava lanzuda...pois bem confesso, que nos últimos tempos, não que não consiga, mas não tenho feito disso prioridade, embora vos confesse que tenho imensas saudades! Vou tricotar este ano alguns gorros para sem-abrigo, que é um projeto que tenho em mente há anos, eu vou mentalizando tudo na minha vida,projectando, vizualizando,co-criando, até que surja o momento certo para por em prática, e aí ninguém me segura! Para mim é terapia, e esta arte pode ser aplicada em centros de recuperação, porque tem a vertente calmante e terapeutica, e criar algo é sempre positivo ao ser humano! Mexe com os dois lados do cérebro em simultaneo, e pulsa o lado criativo, cada um pode por o seu cunho pessoal e é maravilhoso !  Tinha uma luta com meias, até que há dois anos e de forma autodidata, consegui fazer este par, com a lã Mondim , uma marca Portuguesa da Retrosaria ! Adoro, e este ano é para repeti

Projecto- Um gorro que aquece um coração!

Então tenho sido impelida por uma vontade de ajuda ao próximo. Já foram muitas as peças que tricotei, incluindo mantas e gorros que já perdi a conta. Agora estou vocacionada para fazer peças que aqueçam um coração e uma cabeça nestas noites frias. Como o gorro é uma peça rápida e fácil de se fazer! Vou fazer alguns, para o meu primeiro voluntariado. Lanço o desafio, a quem tem jeito e tempo que ofereça uma peça a alguém mais necessitado este Natal! Numa peça feita à mão vai dedicação e amor e por isso concerteza aquecerã muito mais que o corpo, aquecerá a alma também! Boa sorte no vosso processo! Já ando há muito com a necessidade de  

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim