Avançar para o conteúdo principal

Preocupações dos pais de uma criança Autista

Existem várias preocupações que temos com uma criança Autista, que são duplicadas pelas de uma criança normal e perfeitamente funcional.
O que mais preocupa em geral aos pais, e no meu caso como mãe, é a sua Independência, a Sexualidade,  o conseguir que ele seja um adulto independente e funcional.
Nós temos filhos neurótipicos, e temos essas preocupações, com um filho Autista, são maiores no sentido que eles precisam de coisas muito concretas e bem estruturadas para se organizarem e serem felizes.
E ser feliz nesta idade ainda passa muito por deixa-lo à sua vontade, na sua calma, com os seus objectivos e tarefas, no entanto um dia mais tarde, o nosso futuro adulto autista, não vai poder fazer o que lhe apetece, o que é apenas e só da sua vontade, a não ser que o faça bem feito e ganhe dinheiro com isso.
Hoje em dia, e mesmo antes de ser mãe  de um Autista, debatia-me com a questão das tarefas manuais e diárias, com a vida prática da qual todos nós vivemos, é óbvio que formação, educação e socialização são importantes mas não totalmente fundamentais!
Se tivermos uma licenciatura, e formos educados e passarmos a vida no café a socializar, não vamos ser funcionais, vamos ser sociais, temos de aprender o lado prático das coisas, o lado mais independente. Podemos ser os maiores a socializar, ter imensos amigos, e até ser Doutores, mas se não soubermos cozinhar, fazer compras, organizar uma casa, não vamos ser totalmente funcionais.
Ser social também passa por aprender a cuidar de si próprio sem depender totalmente dos outros.
Tomar o próprio banho, vestir-se, preparar a própria refeição, e se isso é algo que não nos importamos muito com uma criança neurótipica, pois o aprendizado surge naturalmente, com um Autista, preocupamo-nos sim, em que nesse aspecto seja totalmente funcional e independente.
A verdade é que a minha filha tem quase 9 anos e toma banho com ajuda, eu com a idade dela tomava banho sozinha, ia para a escola sozinha, ia às compras à mercearia com dinheiro e uma lista.
Mas acreditamos que naturalmente ela irá completar esse processo, no entanto o Autista poderá nunca conseguir, se não trabalharmos essa particularidade.
Eu acho que em termos físicos, e a nível de "desenrasque" o Salvador com 36 meses, faz coisas que a irmã só fazia com 5 anos, e isso faz-me acreditar que ele próprio desenvolve as suas técnicas de sobrevivência neste mundo.
Acredito que as terapias tenham um papel fundamental, mas a nossa insistência diária, o nosso: deixa-lo fazer para aprender, sem medos, é bastante fundamental, quer na criança Autista, quer na criança neurótipica.
As nossas escolas são muito teóricas e pouco práticas, muito pouco contacto com a natureza, com as coisas do dia-a-dia, que qualquer adulto funcional enfrenta. Há uma preocupação muito grande em sermos inteligentes e termos cuidado com a alimentação, nada contra, mas será que a nossa vida se resume a isso? Somos um trabalho e uma alimentação? A parte económica, a parte de ganhar dinheiro, não é só ter uma licenciatura e ganhar dinheiro, é preciso muito mais que isso, é preciso ser pontual, ser responsável, ter um trabalho, saber dirigir-se sózinho do ponto A ao ponto B.
Mas na verdade hoje em dia não é isso que ensinamos aos nossos jovens, até em certos casos evitamos a todo o custo que façam parte da nossa vida adulta, tarefas como supermercado, levar lixo, comprar pão, pôr a mesa, organizar a mochila escolar, deviam fazer parte dos ensinamentos diários de todas as crianças, Autistas ou não.
E se colaborássemos em parceria com a escola, iria ser muito benéfico para todos!




Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Fantasma do Compromisso

Já se perguntou quantos relacionamentos poderiam ter dado certo se fossem apenas e só amigos? Já reparam que quando começamos a "andar" ou "sair" com alguém supomos de imediato que temos de ser só daquela pessoa e começar a dar e a cobrar satisfações ? Nascemos sozinhos morreremos sozinhos, sozinhos chegamos, sozinhos partimos.... Não me canso de dizer isso, vimos a este mundo para partilhar e ter vivências uns com os outros, mas não somos, não devemos, não podemos ser posse do outro! Somos seres independentes e autonomos, e o que fazemos é partilhar e predispor da nossa companhia com determinadas pessoas! Porque é que muitas relações de amizade duram uma vida e os relacionamentos por vezes não? Prende-se ao fator compromisso, passamos a ser insconscientemente, propriedade um do outro, e se não somos comportamo-nos como tal...a pergunta é quem gosta de ser marionete e cingir-se ao outro ? ninguém , na verdade ninguém. Há quase sempre o dominado e o dominador, que é

Tricot

Quem me acompanha desde os primórdios, sabe que este blog já foi inteiramente dedicado ao tricot e se chamava lanzuda...pois bem confesso, que nos últimos tempos, não que não consiga, mas não tenho feito disso prioridade, embora vos confesse que tenho imensas saudades! Vou tricotar este ano alguns gorros para sem-abrigo, que é um projeto que tenho em mente há anos, eu vou mentalizando tudo na minha vida,projectando, vizualizando,co-criando, até que surja o momento certo para por em prática, e aí ninguém me segura! Para mim é terapia, e esta arte pode ser aplicada em centros de recuperação, porque tem a vertente calmante e terapeutica, e criar algo é sempre positivo ao ser humano! Mexe com os dois lados do cérebro em simultaneo, e pulsa o lado criativo, cada um pode por o seu cunho pessoal e é maravilhoso !  Tinha uma luta com meias, até que há dois anos e de forma autodidata, consegui fazer este par, com a lã Mondim , uma marca Portuguesa da Retrosaria ! Adoro, e este ano é para repeti

Reciclagem

 Por vezes dou por mim a pensar, que pagamos tanto papel e plástico, para deitar ao lixo....terrível.  Além do lixo que fazemos, também é um desperdicio? Hoje o post é super curto, ,as vale a pena pensar nisto!