Avançar para o conteúdo principal

A maternidade é uma cena lixada!!! Uma espécie de montanha russa

A maternidade muda-nos para sempre, muda a nossa mentalidade, a nossa maturidade e a nossa forma de ver a vida.
Ficamos com medo de morrer.
Ficamos com menos dinheiro na conta bancária, com agenda mais preenchida, com noites mal dormidas.
Descobrimos um poder dentro de nós que até então nada exaltava. Descobrimos que o corpo feminino é fantástico, quando o bebé nasce, olhamos para ele olhamos para nós, e perguntamos, como é que isto tudo, estava dentro da minha barriga. Descobrimos que somos capazes de alimentar e trazer um ser à vida e fazermos com que seja nutrido, protegido, cuidado , amado.
Descobrimos o tal do amor incondicional, que só nutrimos pelos filhos.
Ficamos a perceber tudo sobre fraldas, biberons, banhos, num abrir e fechar de olhos, como que instintivamente.

Será que vou conseguir??? Pergunta atormentadora! Vou sim. Essa é a resposta.

Fazemos mil e uma perguntas, mesmo depois de estarem cá fora, se devíamos ou não ter assumido tamanha responsabilidade.
Por vezes arrependemo-nos, ou pensamos que estamos arrependidos, por vezes choramos, sorrimos, temos ataques de tristeza, solidão, fúria, raiva, pânico, medo, ansiedade.
Culpamo-nos por tudo e por nada, vivemos em sobressalto, comemos de pé, tomamos banho com a porta aberta, trancamos as portas, as janelas, verificamos tudo e mais alguma coisa, para que estejam em segurança, e ainda assim eles são capazes de coisas do arco da velha, e acidentes acontecem, senão não se chamariam acidentes!!!
Fazemos toneladas de máquinas de roupa, lanchinhos, pedidos de coisas da creche/escola, damos uma palmada ou berramos, choram eles e choramos nós, e achamos que a protecção de menores é capaz de nos retirar por isso...
Quando temos mais que um filho, e um deles ainda é pequeno, deitamo-nos com a sensação que não demos atenção suficiente ao/s outro/s.
Descobrimos que têm muito deles e muito de nós.
Mesmo sem terem saído de casa já fazemos a comida preferida e compramos aquelas coisinhas que mais gostam, sejam saudáveis ou não.
Percebemos que a parentalidade é um trabalho a dois, que muitas vezes é mais da mãe, não se iludam.
Descobrimos que temos uma intuição maternal fantástica e raramente falha.
Sabemos sempre quando estão ou vão ficar doentes só de olhar para eles!
Queremos sempre estar sem eles e com eles, e sim esta é uma das sensações mais estranhas que temos, queremos "livrar-nos" deles e quando o fazemos, levamo-los connosco para todo o lado em pensamento,  e quando não estão parece que deixamos o coração em casa ;)
Nunca mais nos sentimos sós, mesmo que estejamos.

E vamos preocupar-nos sempre, sempre com eles, mesmo que tenham 60 anos!

E muito haveria a acrscentar a esta montanha russa!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tricot

Quem me acompanha desde os primórdios, sabe que este blog já foi inteiramente dedicado ao tricot e se chamava lanzuda...pois bem confesso, que nos últimos tempos, não que não consiga, mas não tenho feito disso prioridade, embora vos confesse que tenho imensas saudades! Vou tricotar este ano alguns gorros para sem-abrigo, que é um projeto que tenho em mente há anos, eu vou mentalizando tudo na minha vida,projectando, vizualizando,co-criando, até que surja o momento certo para por em prática, e aí ninguém me segura! Para mim é terapia, e esta arte pode ser aplicada em centros de recuperação, porque tem a vertente calmante e terapeutica, e criar algo é sempre positivo ao ser humano! Mexe com os dois lados do cérebro em simultaneo, e pulsa o lado criativo, cada um pode por o seu cunho pessoal e é maravilhoso !  Tinha uma luta com meias, até que há dois anos e de forma autodidata, consegui fazer este par, com a lã Mondim , uma marca Portuguesa da Retrosaria ! Adoro, e este ano é para repeti

Projecto- Um gorro que aquece um coração!

Então tenho sido impelida por uma vontade de ajuda ao próximo. Já foram muitas as peças que tricotei, incluindo mantas e gorros que já perdi a conta. Agora estou vocacionada para fazer peças que aqueçam um coração e uma cabeça nestas noites frias. Como o gorro é uma peça rápida e fácil de se fazer! Vou fazer alguns, para o meu primeiro voluntariado. Lanço o desafio, a quem tem jeito e tempo que ofereça uma peça a alguém mais necessitado este Natal! Numa peça feita à mão vai dedicação e amor e por isso concerteza aquecerã muito mais que o corpo, aquecerá a alma também! Boa sorte no vosso processo! Já ando há muito com a necessidade de  

December!!!!

Dezembro chegou... e com ele todos os pensamentos, todas as reflexões de um ano completamente atípico a que todos sobrevivemos....mas deixem apenas dizer lhes que ....foi um ano de crescimento individual, espiritual e familiar! Saio deste ano de coração cheio, de pura adrenalina, como é óbvio momentos de tudo....foi ano de Marte e deviamos ter preparado para a guerra, se todos chegamos até aqui vivos e de saúde somos uns guerreiros natos, capazes de enfrentar qualquer batalha. Prosseguiremos a 2021, ano de Vénus,  do amor, da prosperidade, da fé e da abundância, da compaixão, do cuidado ao próximo, dos amores impossíveis de contos de fadas! Peço para este ano uma reflexão: o que vale a pena lutar em cada vida que nos pertence? Do que devemos ser gratos ao acordar e ao deitar? O que é para si a liberdade, a saúde, a segurança! O que realmente importa para cada um de nós? Acho que foi um ano bastante reflexivo para quem abarcou e tentou entender a mensagem...a bem da verdade nestas últim